in

A deliciosa história de sucesso do Bacon

É toucinho defumado, parte da barriga do porco, mas o brasileiro, como o americano, o chama de bacon. Ele está em sanduíches, mas também em pratos refinados. Virou sabor de vodca e camisinha. Foi parar em camisetas, bonés e outros artigos vestidos por gente que se orgulha de comê-lo. Na última década, transformou-se em uma indústria que movimenta US$ 4 bilhões anualmente em todo o mundo. O alimento é uma tendência que não deve acabar tão cedo, mas você tem ideia de como ela surgiu? Se você acha que tudo se resume a sabor e suculência, saiba que a popularidade dele foi forjada com muito custo por marqueteiros e empresários dos Estados Unidos por anos.

O bacon foi tema de reportagem da Businessweek. Décadas de história foram contadas por profissionais desta indústria que viram o bacon ser rejeitado nos anos 1980, gradativamente introduzido em 1990 e popularizado a partir de 2000. Esta transição aconteceu porque havia gente interessada em ganhar dinheiro com carne de porco e com estoques empacados.

Declínio
Décadas atrás, o bacon fez parte do famoso estilo de vida americano. Foi colocado no café da manhã, frito junto com ovos, e era vendido em maior parte no varejo – para donas de casa, e não para redes de restaurantes. As vendas acompanhavam o ciclo do tomate. Fruta e toucinho defumado tinham picos de venda nos verões, quando eram misturados em saladas.

Esse costume mudou com a chegada da década de 1980, quando fortes tendências em prol de alimentos diet e saudáveis tomaram os Estados Unidos. Surgiram evidências de que gordura saturada e colesterol eram causas de problemas no coração, obesidade e câncer, e comer gordura magra virou moda. Refrigerantes diet ganharam mercado, margarina substituiu manteiga, e embalagens de alimentos passaram a levar os dizeres “fat free”. O bacon, cuja carne é dois terços composta de gordura, foi condenado.

Numa época em que peitos de frango sem ossos e sem pele ganharam a preferência dos americanos, a tentativa foi taxar a carne de porco como “a outra carne branca”. Mesmo assim, com pilhas de carnes de porco congeladas e estocadas, o governo americano encorajou a vendê-las por preços mais baixos para a União Soviética e para países africanos.

Ascensão
Na década de 1990, produtores de carne de porco cobraram a indústria por alternativas para fritar todo aquele estoque desvalorizado. O plano dos marqueteiros foi posicionar o bacon como um “intensificador de sabor” para tentar ganhar restaurantes. Isso numa época em que redes de fast-food como McDonald’s e Burger King vendiam sanduíches com pouco sabor, pois hambúrgueres eram feitos com “carne magra”, herança de tendências anteriores.

Colocar uma única tira de bacon foi como começou a febre. O fast-food Hardee’s, hoje sem muita força nos Estados Unidos e desconhecido por brasileiros, foi o primeiro a fazê-lo. Em 1992, com o Frisco Burger, saiu a primeira linha de lanches com bacon da empresa. Ele não pegou de imediato, até porque a fritura ainda causava muita sujeira e fumaça. A solução dos produtores de carne de porco foi inteligente: vendê-lo pré-cozido.

Com o problema resolvido, a indústria do bacon inicou o lobby para convencer grandes companhias de food service a colocá-lo no cardápio. Invenções como empadas , bolinhas e até tirinhas de bacon tentaram substituir as batatas fritas, mas o que pegou mesmo foi o acréscimo nos sanduíches. Surgiram variações dos Bacon Double Cheeseburger que são vendidos até hoje por McDonald’s e Burger Kings em todo o mundo. Leve em conta que, uma ou duas tirinhas por sanduíche representavam toneladas de carne de porco que a indústria passou a ter como demanda.

Fonte: GQ Brasil

What do you think?

Written by Ricky Terezi

Jornalista, produtor cultural, agora blogueiro, filho de Terezinha e Alvimar.
Natural de Montes Claros-MG. Mora em New York.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

GIPHY App Key not set. Please check settings

Fotógrafo dos grandes roqueiros dos 70′s, faz mostra em NY

Rapaz emagrece mais de 80 kg em um ano, sem cirurgia ou remédios